DIA 1: EMANCIPAÇÃO A PARTIR DE UMA RELAÇÃO DE RECONHECIMENTO

560_-_Sacco_2

Do graphic novel “Maus”, de Joe Sacco

Durante a manhã do primeiro dia do Colóquio Internacional Justiça, Democracia e Emoções Políticas, o pesquisador Vitor Blotta, da Universidade de São Paulo (USP), mostrou como novas formas de visibilidade midiática, principalmente aquelas que fazem uso de elementos estéticos e literários, como docudramas, graphic novel e outros tipos de produtos jornalísticos mais literários, são fundamentais para o fortalecimento dos potenciais democráticos das esferas públicas transnacionais e para a geração de uma solidariedade política intra e transnacional.

Para defender a ideia, Blotta parte de concepções republicanas de liberdade e acesso à informação, surgidas nos anos 1970 em reação aos oligopólios das empresas de mídia e ao perigo das homogeneidades culturais que elas estimulavam. “Novas formas de visibilidade midiática podem nos dar acesso a informação que nos trazem identidades híbridas, não mostrando apenas as diferenças, as distinções. Histórias, biografias e elementos de ficção podem trazer novas identidades e grupos de uma maneira mais sensitiva e singuar”, explica o pesquisador. Assim, para ele, tais formas de visibilidade midiática quebrariam as homogeneidades culturais trazidas pela mídia dominante.

66864786

Do graphic novel “Castro”, de Reinhard Kleist

Ao se voltar mais para o conteúdo das informações que circulam, Blotta não se prende a questões estruturais da disseminação de informação, como o faziam concepções mais liberais de direitos humanos das sociedades ocidentais, no século 19 e na maior parte do século 20. Concentra-se em concepções republicanas, que, segundo ele, têm relações com as concepções de reconhecimento e liberdade social de Hegel e Axel Honneth e de políticas de reconhecimento de Taylor e Laborde.

Para ele, os graphic novels “Maus”, de Joe Sacco, ou “Castro”, de Reinhard Kleist, são exemplos de produtos jornalísticos que causam uma relação de reconhecimento de identidades mistas, capazes de fragilizar noções de identidade nacional e de promover emancipação dos sujeitos.